A Páscoa

  • Do começo ao fim.

    Quando pensamos na Páscoa, podemos pensar em um acontecimento que marca o começo de um ciclo ou na perspectiva de encerramento de um ciclo. Se olharmos para a Páscoa, na perspectiva da vida de Cristo aqui na terra, soa como encerramento; se olharmos, na perspectiva de Cristo em sua trajetória divina de eternidade, podemos ver o mesmo acontecimento como um início. O fim do sofrimento e o início da glória. A Páscoa tem essas duas dimensões também para nossa trajetória humana.

    Ouvi uma comentarista falar que, como seres humanos, somos sempre “gerúndios”. Estamos acontecendo. Esta é a dinamicidade da vida. Não somos apenas passado, nem somos sempre futuro. A nossa vida está acontecendo. Estamos constantemente iniciando, acontecendo , concluindo, existindo, assim é a vida. Constantemente, estamos encontrando e vencendo a morte. Nesse dinamismo existencial, surge a Páscoa como uma experiência de movimento e dinâmica de vida. A morte vem como resultado da própria caminhada e a vida se renova e reprojeta pelo túmulo aberto de Cristo. A Páscoa é a celebração mais dinâmica da vida dos cristãos. Estamos diante de um portal de renovação e vida. Em Cristo, contemplamos a luta contra a morte e a certeza da vida eterna. Em Cristo, contemplamos a presença de Deus, que visita seu filho nos momentos mais críticos de sua caminhada e o acompanha fazendo dele o vitorioso ressuscitado.

    Cristo se vê traspassado pelas dores que a vida lhe impõe e, na mesma proporção, se vê confortado pela presença acolhedora do Pai de toda bondade e misericórdia. Deus fez isso na vida de Cristo como um exemplo para a humanidade. Deus sabe que assim trilha a humanidade, essa humanidade que é objeto do seu amor sem fim. Ele visita e acompanha Cristo, da mesma forma que nos visita e nos acompanha. Deus sabe que estamos passando pela humanidade, não somos estacionários, somos vida, somos movimento, somos “gerúndios” e Ele nos acompanha nessa trajetória. Deus está presente em toda a nossa vida, do começo ao fim. Assim foi que Jesus disse: “Estarei com vocês todos os dias, até a consumação dos séculos.”

  • Podemos fazer desta Páscoa uma oportunidade peculiar de encerramento e renascimento. Podemos encerrar todas as ações, os pensamentos e as atitudes que danificam nosso desejo de felicidade e completude, ou que causam danos á outras pessoas e então cultivarmos uma nova postura ou atitude de vida. Novas ações, novos projetos, novos sonhos e novas perspectivas de vida. Podemos deixar a luz daquele túmulo aberto, iluminar a nossa mente e vencer assim os espaços de escassez para renascer ali um espaço de abundância. Mais amorosidade, mais paciência, mais acolhimento, mais paz. Assim tudo pode ser um recomeço para um novo “gerúndio” existencial.

  • Pastor Alcione Eidam – Capelão