Palavras do Mestre

  • Mais uma vez, vamos ser convidados pelos cristãos de todos os lugares do mundo inteiro a refletirmos sobre as importantes contribuições de Martinho Lutero na história da humanidade. Cada vez mais, o mundo reconhece que a obra de Lutero não apenas rompeu fronteiras como também unificou os povos em torno da mensagem da cruz. Com a bíblia na mão, o povo simples pode conferir de perto o plano de um Deus amoroso, perdoador e salvador: 

    O nosso único e verdadeiro Deus e Pai, criador do céu e da terra.
    Martinho Lutero, o mestre na palavra de  Deus nos convida hoje a refletirmos sobre o cristão como aquele que desempenha o seu papel de “sal” da terra. Estamos todos aí para dar um tempero especial ao mundo, resgatar o verdadeiro sabor e agir de tal maneira que fiquem preservadas as qualidades essenciais do mundo onde estamos inseridos. Isso exige muito de cada um de nós uma predisposição às boas ações, ao cultivo de valores e virtudes que realmente possam nos diferenciar no mundo. Estamos sendo chamados a sermos diferentes. Não somos instigados a sermos ou querermos ser melhores, mas temos um compromisso que nos chama para assumirmos um papel transformador nos contextos em que estamos inseridos.
  • O mês de outubro ficou marcado na história. Depois do ano de 1517, esse mês vem sendo lembrado no mundo inteiro como um mês de importantes reflexões sobre fé e liberdade em Cristo. No dia 31 de outubro de 1517, o mestre Dr. Martinho Lutero deixou uma marca de contestação veemente na porta da igreja Witemberg, na Alemanha. Estamos chegando aos 500 anos dessa data.

    Eis as palavras do mestre em suas reflexões sobre o texto de Mateus 5.13:
    Vocês são o sal para a humanidade; mas, se o sal perde o gosto, deixa de ser sal e não serve para mais nada. É jogado fora e pisado pelas pessoas que passam.” – palavra de Jesus Cristo no sermão da montanha.
    Palavras de Lutero: “Com a palavra ‘sal’, Jesus mostra qual deve ser a função dos seus seguidores. Pois sal, não é sal para sim mesmo, pois não pode salgar a si mesmo, mas serve para salgar a carne e o que mais for necessário na cozinha, para que preserve seu gosto, se mantenha conservado e não apodreça. Assim, também vocês são sal – diz ele – não um sal para a cozinha, e, sim, para com ele salgar a carne, ou seja, o mundo inteiro. Na verdade, é uma função maravilhosa e uma grande e esplêndida honra que Deus os chama de seu sal, acrescentando que devem salgar tudo que existe na terra. Para isso, porém, se exige uma pessoa que esteja disposta a ser pobre, miserável, sedent, mansa e a sofrer toda sorte de perseguição, injúria e ofensa. Sem isso, não haverá pregador que saiba salgar de verdade; pelo contrário, será um sal insosso, que não tem nenhuma utilidade.”