Pentecostes

  • Existem muitos tipos de estradas por aí. Algumas de fácil acesso e trânsito consideravelmente bom. Existem aquelas, em que transitar se torna um desafio para os que não estão mais preparados. É preciso tração especial para não travar, encalhar, desistir e sentir aquela frustração terrível de não ter podido chegar ao final do percurso.

    A vida em geral é constituída de caminhos e estradas. Por aí encontramos muitas situações que requerem de nós certas habilidades que não temos naturalmente. Precisamos aprender, cultivar, treinar, ensaiar, estudar e realizar exercícios para dominarmos e não sermos perdedores. Nem sempre é preciso dominar, quando me refiro a esse conceito, não penso em dominar para suprimir, amassar, reinar sobre. Penso em fazer frente aos desafios com mais preparo, mais habilidade, mais sensibilidade. Poder acompanhar.

    Nestes caminhos encontramos pessoas que constituem, muitas vezes, o pano de fundo da nossa própria caminhada e por que não dizer, da nossa existência. São aquelas pessoas que ressignificam cada momento da nossa vida, que dão sentido aos nossos sonhos, nossas buscas, nossos projetos. Passam por aí nossos pais, filhos, namorados, amigos, cônjuges, patrões, colegas de trabalho, alunos e professores. Cada um vem e caminha conosco. Com eles fazemos caminhos e caminhadas, cruzamos estradas, construímos passagens, conhecemos atalhos, encontramos destinos, planejamos aventuras. São muitos caminhos e muitas possibilidades. Embora tenhamos tantas opções de escolha para fazermos nossos caminhos, muitas vezes nos vemos sozinhos e caminhamos errantes, solitários. Falta-nos a presença de alguém que nos motive a seguir. Paramos. Travamos. Desanimamos. Encontramos situações deprimentes. Perdemos a noção das nossas habilidades. Para que estamos habilitados? Quem pode nos habilitar? Para quê seremos habilitados?

    Estamos passando por um período litúrgico chamado de Tempo de Pentecostes. É a festa do Espírito Santo. O Espírito Santo é a força divina que vem a nós para nos tracionar. Trata-se de uma presença específica de Deus em nossas vidas que nos leva para práticas que libertam. Através do Espírito Santo somos habilitados para o amor, a paciência, o perdão, a alegria, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio. Essas são virtudes que nos capacitam ao convívio com as pessoas que fazem parte da nossa caminhada. Muitos caminhos vão exigir de nós esse tipo de tração.

  • Os momentos que vivemos, os desafios a que somos expostos e as etapas a serem vencidas exigirão certas habilidades que não são naturais em nós. Se deixarmos por conta apenas do que somos por natureza, talvez não consigamos vencer, sustentar as amizades, manter os relacionamentos. Precisamos de tração. A tração do Espírito Santo é aquela força que vem de fora, vem de Deus, pode ser buscada, suplicada, pode ser assunto de uma oração e conversa com Deus. Deus nos ouve, nos acolhe, nos capacita, nos habilita, nos traciona para os relacionamentos serem sustentados e mantidos.

    Então, vamos lá. É tempo de retomar aquele caminho, aquela amizade, aquela aventura, aquela estrada, aqueles momentos que já foram tão bons e que talvez se viram desgastados por falta de uma tração especial. Retome. Recomece. Tente outra vez. Agora vai com a prece a Deus que te iluminará, fortalecerá e abençoará a fim de você poder circular livremente por todas as estradas e caminhos à sua frente.

    Pentecostes: Tempo de renovação!

  • Pastor Alcione Eidam – Capelão