Um Pai no Comando

  • Certa vez houve uma viagem num navio gigantesco, uma daquelas viagens inesquecíveis para quem participa. Muitos dias de fortes emoções e muitas descobertas. Para uma menininha que estava no navio, a experiência era algo muito forte e quase mágico. Mal dava para percorrer toda a extensão do vasto navio sem se perder. A menina tornou-se logo conhecida de muitos passageiros por sua delicadeza e comportamento carismático. Ela andava sempre com sua boneca bem agarradinha. Pulava, corria, dançava e se alegrava com os novos amigos que ia conquistando a cada dia.

    Um dia amanheceu sem sol e com o mar furioso. Altas ondas, muito vento e frio intenso. As águas batiam com violência na proa, bombordo e estibordo do navio. As pessoas acordaram assustadas e o medo foi se avolumando, chegando a níveis de terror para muito viajantes. Todos corriam desesperados para todos os lados e gritavam por socorro.

    Em meio a todo o desespero alguém notou que a menininha estava sentada bem próximo a um mastro do navio e balançava calmamente a sua boneca cantarolando. Alguém então parou e perguntou para a criança como podia ficar assim, tão calma e parecer tão confiante diante de tamanha agitação. A menina logo respondeu: “Papai está no comando.” A menina era filha do capitão do navio. Isso lhe dava toda a confiança para aguardar a tempestade passar.

    É só uma estória. Ou não? Pode ser uma reflexão! Nessa estória ou reflexão podemos encontrar um convite para pensarmos sobre as situações que envolvem nossa caminhada. Todos estamos em viagem por aqui. Avistamos um porto seguro onde poderemos um dia ancorar e descer em segurança. Durante a viagem poderão ocorrer situações que alterem o curso tranquilo e seguro da nossa vida. O que fazer? Aquela menina sossegou diante da certeza que o pai dela iria comandar com segurança o navio. Que confiança!

    Na passagem do Dia dos Pais trago essa estória para refletirmos sobre alguns papéis que vivemos. Somos filhos e todos temos um Pai que está no céu. Lá do céu ele comanda não somente o navio da nossa existência, mas o mar e todos os seus movimentos. Muitos de nós somos pais e temos filhos que olham para nós na expectativa de terem uma referência de segurança para as suas situações e vivências. Nas relações de pais e filhos aqui nessa dimensão de humanidade, podemos buscar, dar, oferecer, emprestar, promover e celebrar situações em que as relações sejam de altos níveis de segurança e provedoras de bem estar entre pais e filhos.

  • Poderão surgir perguntas: Os filhos podem confiar nos seus pais? Os pais oferecem segurança aos seus filhos? Os filhos conhecem suficientemente seus pais para saber que podem confiar neles? As ações dos pais traduzem confiança aos seus filhos? Os filhos aceitam as ações de “comando” dos pais, ou traduzem como autoritarismo? Os pais “comandam” com amor, ou exercem autoridade tirana?

    Enquanto a viagem segue todos estamos sendo observados, pais e filhos, e aos poucos vamos construindo nossas relações existenciais, nos momentos mais difíceis somos testados e constatamos os resultados das nossas próprias atitudes. Deus queira que todos possamos ser aquele tipo de pai que sabe “comandar” de tal forma a oferecer segurança e bem estar aos filhos que viajam junto. Deus queira que todos queiram viajar no mesmo barco. Deus queira que saibamos respeitar os que optam por fazer a viagem sozinhos ou em outros barcos. Deus queira que os filhos sintam-se seguros em buscar seus pais e confiar neles. Deus queira que os pais estejam atentos aos filhos e suas necessidades e saibam cuidar deles. Deus permita que os teus filhos queiram viajar contigo por se sentirem seguros em tua companhia.

    Deus queira que todos possamos ter um Pai amoroso e sempre nos lembremos dele nas dificuldades e nas celebrações.

  • Pastor Alcione Eidam – Capelão